quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

os terrenos baldios

 Tudo quer rebentar com ela. Zum! Como abelhas que constroem castelos dentro dos ouvidos. Zum! Zum! E que não param. Zum! E que vivem e que andam de um lado para o outro dentro dela e que lhe sugam o mel e que não a deixam dormir. Não! É um comboio que lhe atravessa as veias e que se esquece de parar nos apeadeiros das horas arredondadas. Zum! É o vapor da turbina que lhe enche os pulmões e que não a deixa respirar e que a sufoca e as rodas que não param, nunca! Zum! É o constante andamento de um motor que não é o dela. Sem parar. Lá vai aquele comboio e ela torce-se de medo porque a noite é longa. A noite é longa. Mas não! É um monstro. É um monstro que vive lá dentro e que lhe torce as pernas e os braços e que faz assim: Crack! Assim, sem doer. Mas não dói. Porque dói, porque dói. Mas ninguém vê. É sempre véspera de alguma coisa. Que dói. Um vazio de sensação que antecipa a dor de não saber o que vem a seguir no coração. Crack! Outra vez! Abre os olhos e ela não vê nada. Crack! Abelha. Comboio. Monstro. Lá foi ela pelo cano abaixo. Sem saber o que aconteceu. Zum! Crack! Kaboom! Porque era de noite. Não havia luz nos terrenos baldios do pensamento.

0 comentários: